Barra de vídeo

Loading...

terça-feira, 29 de agosto de 2017

DIVALDO FRANCO NO RIO GRANDE DO SUL - PASSO FUNDO


Divaldo Franco no Rio Grande do Sul - Passo Fundo - 28 de agosto 2017
Retornando mais uma vez à Passo Fundo, Divaldo Franco proferiu uma conferência pública no Centro de Eventos da Universidade de Passo Fundo. No espaço de tempo dedicado aos autógrafos, o lídimo trabalhador do Cristo concedeu breves entrevistas para diversos órgãos de comunicação social de Passo Fundo e região. A Prece de São Francisco cantada e tocada ao violão, asserenou o público, bastante disciplinado, dando início ao magnífico evento que reuniu em torno de 7.000 mil pessoas, acomodadas em ambientes internos e externos.
O Dr. Juan Danilo Rodríguez, de Quito, no Equador, espírita, querido amigo de Divaldo, profissional da área de saúde, fundou a primeira instituição espírita de Quito, o Centro Espírita Francisco de Assis, sendo seu atual presidente. Também é o fundador de uma instituição para tratamento da síndrome autista. Neste seguimento escreveu o livro Alliyana, abordando o tratamento aos portadores de autismo. Dr. Juan, em breves palavras, destacou que a língua do Espiritismo é o amor e a caridade. Tomado por esses sentimentos, dedica-se, há 17 anos, a auxiliar, estendo as mãos do conhecimento aos necessitados. Certo dia uma mentora incentivou-o a estudar o português, preparando-se para melhor auxiliar e se fazer compreender. O Espiritismo, disse, propicia tantas alegrias e felicidades. Para fruí-las será necessário abrir o coração.
Fernando Carlos Bicca, líder do movimento espírita regional e coordenador do evento, destacou sentir imensa alegria, saudando os presentes e aos internautas que acompanham o evento virtualmente. Enaltecendo os feitos de Divaldo em favor dos homens, frisou que o Semeador de Estrelas tem contribuindo grandemente para a melhoria do planeta, melhorando as criaturas humanas, tornando-as mais dignas, mais justas, honradas, éticas, amorosas. Passo Fundo o recebe com carinho e amor.

Chamado à tribuna, Divaldo Franco, ícone do Espiritismo na atualidade, sensibilizado, agradeceu as referências elogiosas a ele dirigidas, dizendo que havia aprendido a amar Passo Fundo desde que a visitou pela primeira vez há mais de 50 anos.
“Se um único homem atingir o mais alto grau de amor, será suficiente para neutralizar o ódio de milhões” (Mohandas Karamchand Gandhi), assim, começou a excelente conferência espírita. Incomparável, Gandhi mudou o conceito de paz entre as criaturas humanas.
Apoiando-se na obra “Perdão Radical, de Brian Zahnd, o conferencista narrou a história vivida por Simon Wiesenthal (31 Dez 1908 - 20 Set 2005), sobrevivente de campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, autor do livro Os Girassóis.
Estando no campo de Mauthausen, durante a Segunda Guerra Mundial, foi procurado por uma enfermeira que o levou a visitar um soldado alemão gravemente enfermo e que desejava falar com um judeu, pedir-lhe perdão. Karl Silberbauer, da Gestapo, já em seus últimos dias, implorou o perdão de Simon. Karl, tinha sido educado no cristianismo. Fascinou-se pelo discurso de Hitler, ingressando na juventude hitlerista, passando mais tarde a integrar a Gestapo. Nesta condição havia cometido vários atos de barbárie. Estava arrependido em seu leito de morte, havia sido ferido, agonizava.
No diálogo com Wiesenthal, Karl procurou se certificar que o seu visitante era realmente judeu. Convencido, solicitou dois favores, um era dizer a sua mãe que estava arrependido e que morrera cristão, relegando o nazismo, outro era ser perdoado por um judeu, levando em conta as atrocidades que cometera. Wiesenthal cumpriu o primeiro, já o segundo sentia-se incapaz de perdoar. Se fosse você, perdoaria? Perguntou Divaldo ao público, levando a uma reflexão sobre o perdão.
O grande desafio da criatura humana é a própria criatura humana. Interpretar a sua realidade é a proposta do pensamento filosófico. Ela não encontrou ainda a sua plenitude, a felicidade. Não logrou porque não teve a coragem de fazer a viagem interior em uma tentativa eficaz para autodescobrir-se, utilizando-se do amor, compreendendo que é um ser específico.
Apoiando-se nos estudos de George Gurdjieff e de seu discípulo Peter Ouspensky, Divaldo Franco, com seu verbo iluminado, discorreu sobre os quatros níveis de consciência do ser humano. De acordo com Peter Ouspensky, o ser humano pode ser catalogado em quatro níveis de consciência. Consciência de sono é o primeiro nível. Neste está a grande maioria, com raras exceções. É o estágio primário na escala de evolução. Ouspensky afirmou que pelas reencarnações o indivíduo vai adquirindo conhecimento e despertando a consciência. O segundo nível é o de consciência desperta. A criatura humana alcança o discernimento, dá-se conta que sua existência tem um significado psicológico. Consciência de si mesmo é o terceiro nível estabelecido por Ouspensky. Neste nível o autor apresenta as funções da máquina – o ser humano. A primeira função é a intelectiva. A segunda é a emocional. Na ordem estão as funções instintiva, motora e sexual. A sexta função é a emotiva superior e a intelectiva superior é a sétima. Estas funções devem ser administradas por essa consciência de si mesmo. Peter Ouspensky denominou o quarto nível como o de consciência objetiva, e que Allan Kardec chamou de consciência cósmica. O espiritismo conduz a criatura humana a ter vida em abundância, revelando com ênfase Jesus Cristo.
Utilizando-se de técnicas para que o público se descontraísse, Divaldo conduziu-os para o riso, uma verdadeira terapia de enriquecimento humano, elevando o padrão vibratório, destacando a certeza na imortalidade da alma, seu crescimento com o emprego do perdão, abandonando o ódio, a raiva, tornando-se amoroso, fraterno e caridoso. Deixar de viver na angústia, adotar a alegria de viver com amor, dando ao outro o direito de ser como deseja, é tarefa que se impõe.
Jesus disse ser a luz do mundo. Para viver nele e na luz será necessário realizar o exercício da solidariedade, servindo e amando sempre. Vale a pena amar, vale a pena perdoar. Finalizando o profícuo trabalho com o Poema da Gratidão, de Amélia Rodrigues, Divaldo foi aplaudido de pé, demoradamente. Envoltos em vibrações de amor e profundo sentimento de servir, todos saíram levando em seus corações a esperança em dias melhores, compreendendo que são os construtores da era nova, a era do amor.

Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke


Mais sobre Divaldo Franco:


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

LIVRO: "PENSAMENTOS QUE AJUDAM" É DESTAQUE NA REVISTA TRIBUNA DA MAGISTRATURA





















O livro "Pensamentos que Ajudam" do autor e palestrante José Carlos De Lucca foi destaque na coluna Estante Jurídica da revista "Tribuna da Magistratura" do mês de Julho. Confira a matéria abaixo:


PENSAMENTOS QUE AJUDAM
Autor: José Carlos de Lucca
Editora: Interlítera
Acabei de receber mais um livro do nosso caríssimo colega José Carlos de Lucca, livro que se
destina a todos nós, com inspirações de paz, saúde e felicidade para nossa vida, segundo entende
o nobre e querido autor.

O livro tem 247 páginas, contendo corretos ensinamentos para o nosso dia a dia, com vários
estudos mostrados, que citamos, por exemplo, “A paz não é inércia”, que “O lírio nasce no pântano”,
como ter a “Paz de Espírito”, “A força da gratidão”, “Desesperar, jamais”, “Progredir sempre”, “A sabedoria
do bem viver” e muito mais. São dezenas e dezenas de ensinamento, como dos brilhantes Sêneca,
Confúcio, Emmanuel, Herculano Pires, Papa Francisco, Lenine, e muitos outros de nosso tempo.

O autor, José Carlos de Lucca, um grande Juiz e grande colega, procura mostrar o que devemos seguir na nossa vida, sendo
justo, trabalhador, ligado ao próximo, realizador das grandes obras. Só seguindo tais ensinamentos seremos felizes e vencedores.
É livro que gostosamente lemos e relemos, terminando, com sua leitura, certos de que na vida precisamos ser amigos dos
outros, companheiros de toda hora, lembrando que tudo devemos estudar e até mesmo lembrar que a “A própria doença não é
castigo divino e que Deus não usa tais expedientes cruéis, afinal, isso não combina com Ele. Deus é amor, e, nesse contexto, a
doença é uma informação que nos chega para nossa melhora”. 

Quanta coisa bonita, quanta coisa certa, quantos conselhos que
nos permitem um melhor viver, quanto carinho mostrado. É a sabedoria do bem viver. É a demonstração de que somos apenas
passageiros nesta vida, “somos todos visitantes deste tempo, deste lugar. Estamos só de passagem. O nosso objetivo deve ser
observar, aprender, crescer, amar. E, depois, vamos para casa”, como diz um provérbio citado no livro.

Recomendo aos colegas inteligentes, aos tristes, aos doentes, a leitura desse livro, que só bem fará. Aliás, fará bem a
todos, independentemente de sua orientação religiosa.

Por: Antonio Raphael Silva Salvador - diretor cultural


Mais sobre José Carlos De Lucca:                                  Adquira o livro:

                            
                            


sexta-feira, 18 de agosto de 2017

terça-feira, 15 de agosto de 2017

POR QUE PERDOAR É TÃO DIFÍCIL? - MAURÍCIO DE CASTRO


Uma das coisas mais difíceis que existe é perdoar. O perdão verdadeiro só acontece quando o fato e a pessoa que nos traiu, magoou ou feriu, não nos incomoda mais e quando nos dispomos a voltar a convivência com ela com o mesmo nível de amizade e confiança que existia antes. 

Parece impossível? Para a maioria é. Por isso existe a reencarnação que inevitavelmente irá juntar quem não perdoou ao seu algoz numa próxima vida como irmãos, pais e filhos, colegas de trabalho, dentre outras tantas variáveis, para que, vendo-os sob outro enfoque, possamos perdoar e sublimar a mágoa. 

Embora impossível para a maioria, tem muita gente que perdoa verdadeiramente. E não é só pessoa evoluída não. Tem muita gente que longe está de uma evolução maior, mas que tem procurado se melhorar, se trabalhar, entender porque as coisas aconteceram e voltar atrás. E conseguem. Qualquer um pode conseguir, se quiser.

O perdão está intimamente ligado à humildade. Quanto mais humilde a pessoa for, mais facilidade era terá em perdoar, e quanto mais orgulhosa e vaidosa, mais difícil será.
A pessoa magoada, ferida e traída também tem dificuldade em perdoar porque acha que foi "vítima" das pessoas. Acha que ela é inocente e foi o outro quem a feriu.
Mas isso não é verdade. Ninguém é inocente quando a dor atinge, mesmo que essa dor seja causada por um semelhante. Se fosse inocente ninguém o conseguiria atingir, porque a Lei é Justa.


O caminho que facilita o perdão é entender que, embora o outro tenha errado, foi você quem o atraiu por meio de alguma imperfeição moral que você possui e precisava ser provada. A pessoa não foi vítima, na verdade ela criou a situação e as leis das afinidades aproximou-a de uma pessoa com grandes imperfeições morais para que fosse atingida.


Dessa forma percebemos que na Terra, de fato, não há vítimas nem algozes, apenas pessoas que precisam evoluir e a Vida os une para que um ensine ao outro.
Se você está sofrendo muito com uma mágoa, se foi muito ferida, traída, usurpada, ofendida, pense nisso. Pode ser uma maneira de entender que a ajude a vencer a mágoa e descobrir que você é tão humana quanto quem errou com você.


Maurício de Castro.

Adquira o livro clicando na imagem abaixo:                       Mais sobre Maurício de Castro:

                       

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

UMA MISSÃO DE FÉ - DIVALDO FRANCO EM PORTUGAL


Divaldo Franco - Faro/Portugal 28 e 29 julho 2017
Divaldo começa o seu seminario agradecendo a Caminus Duo – Joana Vieira & Mikhail Shumov pela magistral interpretação de várias peças musicais, que sensibilizaram o público. A música é a língua com a qual Deus se comunica conosco.
Começa falando de um grande depressivo crônico, piloto, que realizou o primeiro vôo França - Dakar para levar correspondência e que também iniciou os vôos entre Buenos Aires e Ushuaia, a cidade mais meridional de Argentina, com uma vida cheia de aventuras e cuja maior obra alcançou um grande êxito, falamos de Antoine de Saint-Exupéry.
O Pequeno Príncipe é uma obra que comove os corações de crianças e adultos.
Infelizmente Antoine não creia em Deus até que um fato ocorrido na sua vida vai mudar este conceito para sempre.
Seu avião é derrubado e diante da preocupação daquele momento, se pergunta: Haverá um Deus? Seria tudo uma fantasia religiosa? Observando como se alimentavam uns ratos do deserto, chegou à conclusião de que vale a pena lutar por viver.
Entre ele e o seu mecánico, que viajava com ele conseguem reparar o avião e chegar à Paris.
Ao regressar se torna idealista.
Logo depois em Espanha eclode a guerra civil y Antoine se apresenta como voluntario, assim como muitos otros para combater.
Durante os combates seu avião foi derrubado e ele capturado.
Foi considerado inimigo de guerra, condenado à muerte e encerrado em uma hedionda fortaleza próxima à fronteira francesa, à espera de sua execução.
Durante a sua estadia compreende o sentido da vida, seu significado e o fácil que é perdê-la. Recém casado e pai de uma criança, começa a questionar a sua existência neste planeta.
Fumador compulsivo, se encontra em uma cela sem nada que o relaxe.
O traje de presidiário que lhe deram, ainda está con los buracos de bala do seu anterior dono, buscando nos bolsos Antoine encontra uma guimba e a leva à boca.
Por um segundo mata sua ansiedade, porém um cigarro apagado não é suficiente, através de sinais tenta que o guarda lhe dê fogo, mas este desconfiado, não lhe presta atenção.
O guarda, ao final, sentindo pena, se aproxima cuidadosamente e lhe acende o cigarro.
O prisioneiro emocionado pelo gesto e como agradecimento olha o seu guardião e sorri longamente e o soldado lhe devolve o sorriso. Ele continua fumando e sorrindo até terminar a última tragada e com um gesto agradece ao guarda.
O soldado espanhol, comovido ante os gestos de Antoine lhe abre a porta e lhe pede que se vaia.
Ele crê que o guarda tentará matá-lo quando se vire de costas e decide sair encarando o seu libertador, até que a uma distância prudencial já não pode resistir-se mais e começa a correr em direção à França, onde chega ao amanhecer do dia seguinte.
No seu relato, recorda o monólogo que fez quando sorriu ao soldado, onde lhe falava de sua morte, de sua família, de tudo que para ele era importante e ia perder.
Parece que as palavras, que eram proferidas no seu idioma natal, o francês, conseguiram abrandar o coração do soldado, que não falava o seu idioma, mas que com certeza, a emoção lhe tocou o coração.
Uma semana depois, em Paris, com seu filho e sua esposa, narra a história de um sorriso e diz:
- Se a humanidade sorrisse um pouco mais seria melhor. Se mudássemos nossos gestos de desagrado por sorrisos haveria felicidade no mundo.
Ao analizar a história de Antoine Saint- Exupéry, Divaldo recorda uma citação de Aristóteles:
“Quando duas pessoas se amam, são uma só alma em dois corpos.” (Metaforicamente falando)
A humanidade se divide em extrovertidos e introvertidos. Os indivíduos introvertidos chegaram à fase adulta sem liberar-se das amarguras infantis, são crianças feridas.
O conhecimento espírita é o veículo mais nobre para a extroversão, porque o conhecimiento de Jesus e seus ensinamentos nos libera das amarguras e nos fala de esperança e também através dos ensinamentos dos imortais que nos dizem: - A vida continua.
Divaldo narra depois a história do colar de diamantes, quando uma dama rica, o empresta a uma amiga para um baile de gala e esta o perde. Ao perceber que não podia devolvê-lo, encomenda um igual, de acordo com suas lembranças do colar, o que faz com que eles se endividem. No final o devolve, porém a dívida é demasiado importante e leva a ela e a seu marido à falência, até o ponto em que ele agoniado falece e ela se vê obrigada a viver do que encontra na rua.
Um dia quando revira o lixo, seus olhos avistam uma dama que descia por uma escada.
A dama era aquela sua amiga e levava o colar. A mulher o olha fixamente e a dama reconhece a sua amiga, se aproxima e lhe pergunta pela sua atual situacão. O que ocorreu? E ela apontando para o colar lhe explica sua desgraça. A amiga a fita e lhe diz:
- Por que você no me contou, te disse que te emprestava porque tinha muitas jóias, que não te preocupasses. O colar que te emprestei só custava 50 francos, era uma imitação, minha querida amiga.
Aplicando-o a nossa vida, isso quer dizer que nos endividamos por colares falsos. Confundimos a felicidade com TER. Nossas jóias deveriam ser a amizade, a caridade, a fraternidade, etc...
Recorda Divaldo como em uma ocasião Ghandi ria em frente de uma joyería e quando lhe indagaram o motivo da sua alegria respondeu:
- Estou feliz de ver tantas cosas que não necessito.
Ato seguido narra como em uma ocasião estando inconsciente, por uns problemas cardíacos, visualiza a figura de Jesus e o mar de Galiléia. Recordando a felicidade desse momento e demonstrando que SIM se pode ser feliz, ainda que seja por um instante.
Na segunda parte do seminario Divaldo inicia contando uma história comovedora. La história do Dr. Tadeo Merlin, que sendo um defensor da eutanásia, deixou viver um menino aleijado, que anos mais tarde irá salvar a vida da sua neta. O doutor Tadeo Merlin no final da história diz a si mesmo, quão cego estava, hoje compreendo que é melhor melhor ser aleijado que ser cego como eu.
Também contou a história acontecida há poucos días, quando em uma palestra, fez alusão a Chico Xavier, falando da sua bondade e comparando-o com a figura de Francisco de Assis. No dia seguinte a mídia publicava: “Divaldo Franco diz que Chico Xavier foi Francisco de Assis.”
Ao passar os dias e não dizer nada sobre a noticia, alguns amigos lhe comentaram a necesidade de desmentir a noticia, ao que Divaldo contestou:
- Não posso desmentir algo que eu não disse.
Com um grande sorriso e sem demonstrar no semblante o trancurso de mais de três horas de seminario, Di se despede com a oração da gratitude de Amélia Rodrigues e enche uma vez mais os corações dos que ali estávamos de alegria e felicidade, HOJE FOMOS FELIZES.
Texto e fotos: Manuel Cemyd